5 jeitos de monetizar seu blog e ganhar dinheiro com ele

2
260

Hoje em dia o sonho de viver de internet é muito comum e não é mais algo impossível (não que você vai conseguir fazer isso em 3 semanas, calma). É muito popular gerar receita fazendo vídeos para o YouTube ou se arriscar criando conteúdo para algum blog. De fato esse é um estilo de vida muito bom, além de ser seu próprio patrão, você tem um horário flexível e pode trabalhar no conforto de sua casa.

São inúmeras as formas de ganhar dinheiro com seu site ou blog. Os caminhos para receber o suficiente para se sustentar disso também não é algo secreto, mas não é do dia para noite que isso vai acontecer. É só com muita dedicação e persistência que você alcançará seus objetivos, trabalhando duro e com respeito aos outros criadores. Não é com algumas horinhas diárias que a sua página irá crescer, é necessário foco e algum investimento para ser um verdadeiro profissional.

A lucratividade que você pode ter é muito grande, porém esse não é o único motivo pelo qual você deve estar entusiasmado para iniciar um negócio na internet. Você tem que gostar do que faz, seja criando vídeos ou escrevendo artigos.

Vamos abordar diferentes formas de gerar receita. Independente do estilo do seu site, você encontrará algum serviço que lhe seja útil. Apesar de falarmos sobre como ganhar dinheiro, o primeiro passo é sempre um conteúdo de qualidade. Conheça o seu nicho, estude-o e descubra como criar um conteúdo novo e rico, que lhe faça gerar um público que lhe de credibilidade e faça de você uma referência.

O método mais usado: programas de afiliados

Antes de falarmos sobre os programas de afiliados, vamos para algumas abreviações. Elas são os tipos de monetização que um programa de afiliados pode oferecer.

  • CPC — custo por clique: com base nos cliques nos blocos de publicidade. Ele é o mais simples e popular. Utilizado pelo Google AdSense, o estilo propagou-se facilmente na web.
  • CPM  — custo por mil impressões: a cada mil visualizações do anúncio. Mais complexo que o CPC, pois paga um valor x por determinada página, então você deve enobrecer seu conteúdo para sua receita ser maior.
  • CPA — custo por aquisição: das opções, a mais complexa. Você recebe apenas se o produto ou serviço que você está anunciando for comprado, o que dificulta a entrada de valores. O lado bom é que você pode ganhar até 90% do valor do que estava sendo anunciado.
  • CPV — custo por visualização: paga por visualização. Recomendado usar quando os anúncios estão em vídeos, como nas campanhas do AdWord no YouTube.
  • CPL — custo por lead: paga por cada novo afiliado/cadastro que você trouxer para a empresa. Estilo de remuneração em ascensão.

Confesso que a ideia do CPC é a que mais me agrada. Utilizo-a pois sou afiliado ao Google AdSense, o programa de maior renome na internet e também um dos mais rigorosos. Você pode ler as regras e requisitos do Google AdSense clicando aqui.

O site que deseja tornar-se parceiro do programa deve ser qualificado. Um dos requisitos é ter a página ativa há pelo menos 6 meses e possuir um conteúdo rico. Observe onde o Google AdSense está presente no TechLândia:

Bloco de anúncio do AdSense no topo da página

Você consegue encontrar facilmente os blocos de anúncio no site, pois estão posicionados de forma estratégica. Não é só inseri-los em qualquer lugar e esperar a mágica acontecer. Uma dica é criar filtros para que apenas produtos e serviços de interesse do seu público apareçam, aumentando o CTR (taxa de clique) e se bem feito, o CPC.

Também não vale a pena poluir a página enchendo-a com anúncios. Os visitantes do seu site acabaram se assustando com tantas informações e propagandas que provavelmente sairão imediatamente. Além disso, o AdSense possui uma regra limitando o número de blocos por página. Lembrando que o programa não tem pena na hora de punir infratores.

Apesar de possuir muitas regrinhas que nos limitam em vários aspectos, o AdSense oferece muitas ferramentas que devem ser exploradas para otimizar os lucros do seu blog ou site. Eles mesmos incentivam as experiências com o posicionamento dos blocos, misturando anúncios gráficos com apenas texto, filtrando anunciantes, utilizando opções responsivas (se adéquam ao local inserido em dispositivos móveis) e muito mais.

Além do AdSense, faço experiências com as soluções da Spider.Ad. Também pagam por CPC, mas suas formas de publicidade são bem alternativas se comparadas com as do Google. Não são piores ou melhores, são para situações diferentes. Elas são introduzidas em áreas que você nem imagina, ideais para sites sem espaço para blocos no cabeçalho ou barra lateral, por exemplo. Veja como a Spider.Ad estava atuando por aqui:

Blocos de anúncio da Spider Ad.

Além do Sidebanner, oferecem-nos a possibilidade de inserir publicidade nos textos, imagens, em pop-ups e em vários outros lugares do site. O lado bom de receber pela Spider é que o dinheiro sai do Brasil, já pelo AdSense, você recebe de fora, paga altas taxas de imposto e dependendo do banco, tem que se incomodar bastante com a declaração desse tipo de transação. Clique aqui para conhecer melhor a Spider.

Você também pode se aventurar no mundo do CPA, que está cada vez mais famoso. Sua receita só acontecerá se um produto for vendido a partir de um anúncio exibido em seu site, ou seja, não importa quantos visualizem ou cliquem na publicidade, o objetivo é vender o que está sendo anunciado.

Esse tipo de programa de afiliados é recomendado para os sites e blogs que possuem um nicho muito específico, por exemplo o de vendas de acessório para GoPro. Você exibirá anúncios de e-books, cursos e outros produtos que são de muito interesse do seu público, o que aumenta as chances de aquisição.

Mesmo o seu site recebendo pouquíssimas visualizações por mês o CPA pode ser lucrativo. Se as condições do seu negócio na internet forem favoráveis, nada impedirá que vendas aconteçam. Muitas vezes o lucro por comissão de venda é muito maior que os CPC.

Mais opções de programas de afiliados

É claro que o sistema do Google e da Spider não são os únicos. Fizemos uma lista com os melhores e mais rentáveis programas de afiliados.

Seu site é uma vitrine, tenha um media kit

Ele é bem parecido com os programas de afiliados, porém exige um contato mais próximo com os anunciantes. É pelo media kit que você vai se apresentar aos investidores, mostrando que sua página é um meio confiável e possui potencial para dar um bom retorno.

É claro que se o seu site ou blog foi criado recentemente o media kit não é uma opção muito boa. Seus números ainda são baixos e nenhuma empresa estará interessada em anunciar especificamente com você.

Mas se você já criou um público, a ideia é bastante interessante. O objetivo é deixar de maneira explicita informações que façam com que eles desejem anunciar com você. Veja alguns dados que não podem faltar na hora de vender sua página:

  • diferencial ou algo impactante, como: mais completo site sobre tal assunto
  • seus meios de comunicação que também podem ser usados para exibir anúncios, como as redes sociais
  • localização dos blocos de anúncios em suas páginas
  • perfil dos usuários do site — gênero predominante e outras formas de categorização
  • valores e estatísticas mensais, incluindo as redes sociais
  • explique porque anunciar com você é uma boa decisão
  • maneiras de entrar em contato

Várias dessas informações você consegue com facilidade buscar através do Google Analytics. É importante tê-lo em seu site.

Os media kits não tem um padrão, você pode utilizar a sua criatividade, criando gráficos, tabelas e deixando tudo da maneira mais fácil de ser absorvida. Desenvolva algo na mesma linha dos media kits de grandes sites. Conheça alguns:

A página destinada aos anunciantes não é a principal do seu site, mas também não é necessário esconde-la. Deixe-a junto às páginas institucionais. Geralmente são intituladas como Anuncie, Publicidade ou simplesmente Mídia Kit.

Mídia Kit do RND

Você poderá exibir anúncios dos programas de afiliados e ao mesmo tempo dos anunciantes que entraram em contato com você. Dependendo das estatísticas, o media kit poderá ser mais rentável que os próprios programas de afiliados.

Creio que no final das contas, a parte mais difícil é estipular um preço pelos seu media kit. O que devemos levar em consideração é a qualidade dos seus artigos e o posicionamento do seu site na web, assim como os seus números. Também agrega valor aos seus serviços as redes sociais em que você está presente. Lembre-se de enobrecer o conteúdo delas e conquistar cada vez mais público a partir de lá.

Escreva artigos patrocinados e reviews

É também com um contato mais próximo dos anunciantes que os artigos patrocinados funcionam. Dessa vez não são pelos espaços já destinados à publicidade que você divulgará os produtos e serviços de alguém, mas sim por meio de uma postagem que apresentará a ideia de quem está lhe pagando.

O objetivo não é comprar a sua opinião, você não pode enganar o seu público. O correto nesses casos é deixar de forma explícita que o conteúdo do artigo é patrocinado, geralmente com alguma nota no início ou final da publicação. Mesmo a propaganda sendo de um produto ou serviço que você gosta, é necessário a inserção desse tipo de explicação.

Um exemplo fora dos blogs mas que está no cotidiano de quase todo mundo são as publicações patrocinadas do Facebook. Além de posts, páginas são impulsionadas, mas sempre deixando claro que você só está vendo aquilo pois pagaram para isso.

Você também pode fazer reviews. São um pouco diferentes de publicações patrocinadas. Algumas empresas podem até lhe pagar para você fazer algum tipo de análise sobre algo, mas nessas ocasiões você deve ser completamente honesto e dar sua real opinião, mesmo que ela seja desagradável.

Assim como nos media kits, aqui você faz o seu preço. São vários fatores para serem analisados, o importante é você não fugir muito do mercado e ter um preço competitivo. Se for um pouco mais caro, mostre aos anunciantes porque vale a pena pagar um pouco a mais por você.

Venda produtos e serviços

Aqui já não trabalhamos mais com a venda de espaços do seu site para a divulgação de conteúdo de terceiros. Na verdade é bem pelo contrário, agora nós estamos divulgando um produto nosso. Você pode explorar vários espaços do seu site para isso, inclusive criando uma página exclusiva para compras, como uma loja virtual.

São inúmeras as plataformas para a criação de lojas virtuais, muitas delas de graça. Conheça algumas ferramentas que poderão ser úteis para você:

Você também pode explorar a venda de produtos digitais. Já são vários os sites e blogs que vendem e-books e cursos por aí. Esse mercado é tão grande que existem plataformas especializadas somente nisso.

Uma delas é o Hotmart, um sistema que facilita a vida de quem quer vender infoprodutos. Não é necessário pagar uma mensalidade ou algo do tipo pelos serviços, o sistema cobra uma porcentagem de cada venda, o que é ótimo para quem quer começar um negócio na web e não tem dinheiro para um investimento inicial. Você também pode anunciar os produtos que estão no Hotmart em seu site, o que nos leva novamente aos programas de afiliados.

Vendas comissionadas com infoprodutos do Hotmart

Crie conteúdo exclusivo

A ideia é um conteúdo premium para assinantes do blog, desenvolvida para ser a mais rica fonte de conhecimento. Isso não significa que os seus artigos grátis devem ser com baixa qualidade, muito pelo contrário, é por meio deles que você conquistará os assinantes.

Essa é uma das maneiras mais complicadas para se gerar receita, principalmente porque você tem que conquistar pessoas e depois publicar um conteúdo que mantenha a assinatura dela. Acredito que seja uma opção mais avançada e se o seu projeto ainda está no começo, é melhor deixa-la para depois.

Estudante de marketing, fascinado por empreendedorismo, fã de Flume, narrador do FIFA e viciado em misto quente com Ketchup. Criou esse blog no ensino médio para preencher seu tempo livre. Hoje, tenta sobreviver a partir dele (e de outros blogs).